quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O que é SESMT, QUAIS PROFISSIONAIS FAZEM PARTE DO SESMT,

QUAL O SIGNIFICADO DA SIGLA SESMT?

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. 

COMO NASCEU O SESMT – A HISTÓRIA DOS SERVIÇOS ESPECIALIZADOS.

Com vistas a trazer ao público leitor um entendimento mais abrangente, faz-se necessário que comecemos pelo nascimento dos Serviços Especializados, pois somente quem conhece a história é capaz de fazer história. 

HISTÓRICO 

Embora a CLT de 1943 , em seu art. 164, já prescrevesse a existência nas empresas de Serviços Especializados em Segurança e Higiene do Trabalho, os mesmos só se constituiram através da Portaria 3237, de 27/6/72, do Ministério do Trabalho, sendo então denominados de "Serviços Especializados em Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho". Sua criação veio a se constituir no divisor de águas entre uma época de imprecisão no que se refere a política nos assuntos de segurança e saúde do trabalhador e outra, na qual o Estado assumiu , de forma ordenada e permanente esse controle. 

A Portaria 3237/72 , entre seus aspectos mais importantes, enfocou: - proibição de terceirização dos Serviços ; 

- dimensionamento do número de profissionais dos Serviços, segundo o risco (em 3 níveis) e o número de trabalhadores do estabelecimento(a partir de 100); 

- prazo de 360 dias para o DNSHT elaborar quadro de gradação de risco; - identidade própria de cada Serviço (de Segurança e de Medicina do Trabalho), com atribuições específicas; 

- prazo de instalação dos Serviços nos estabelecimentos : a partir de 1/1/1975 - o aproveitamento de profissionais que, à época de sua vigência possuíssem: Ø curso de especialização nas áreas de interesse Ø ou cinco anos de prática na especialização. 

O art. 4º ,ao conceder o prazo de 360 dias para elaboração do quadro de gradação de risco, permitindo, assim, uma pesquisa aprofundada da matéria , evidenciou a importância de se estabelecer e classificar, criteriosamente, o grau de risco dos estabelecimentos. 

A Portaria 3237/72 sofreu várias alterações, mas nenhuma que modificasse de forma substancial seus objetivos, até que foi revogada em 1978, tendo em vista a revisão do Capítulo V da CLT (levada a efeito pela Lei 6514/77) e a edição da Portaria 3214/78, quando a matéria abordada pela 3237/72 passou a ser assunto específico da NR 4 - Serviços Especializados em Segurança e Medicina do Trabalho ( SESMT). 

As atribuições dos dois serviços continuaram a ser distintas . 

A classificação de risco foi ampliada de 3 para 4 graus de risco. Em 1983, foi modificada substancialmente a NR 4, unificando-se as atribuições dos dois serviços, as quais passaram a ter caráter genérico. 

Além disso, a obrigatoriedade da existência dos Serviços foi estendida para estabelecimentos com o mínimo de 50 trabalhadores. Posteriormente, algumas modificações foram introduzidas enfocando a estrutura dos Serviços e a mudança da classificação de risco de algumas categorias de atividades econômicas, sem entretanto alterar substancialmente a abrangência da NR 4.  


QUAIS PROFISSIONAIS FAZEM PARTE DO SESMT?

Segundo a NR 4.4.2, os profissionais abaixo compõem o SESMT: 

Médico do Trabalho: Médico portador de curso em nível de pós graduação em Medicina do Trabalho ou portador de certificado de residência médica em área relacionada á saúde do trabalhador.

– Engenheiro de Segurança do Trabalho; Engenheiro, Arquiteto portador do curso em nível de pós graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho conforme lei 7410 de 29/11/85.

– Enfermeiro do Trabalho: É o Enfermeiro que possui especialização em nível de pós-graduação em Enfermagem do Trabalho.

– Técnico em Segurança do Trabalho: Profissional com registro no Ministério do trabalho. Profissional formado em nível Técnico conforme lei 7410 de 29/11/85.

– Auxiliar de Enfermagem do Trabalho. Portador de certificado de conclusão de curso de qualificação de auxiliar de enfermagem do trabalho, ministrado por instituição especializada reconhecida e autorizada pelo Ministério da Educação.

COMO SABER A QUANTIDADE DE PROFISSIONAIS DO SESMT NECESSÁRIOS NA EMPRESA?

Para saber a quantidade é preciso fazer o dimensionamento do SESMT.  

COMO É FEITO O DIMENSIONAMENTO DO SESMT?

O dimensionamento do SESMT é feito através do cruzamento entre Grau de Risco (Quadro I da NR 4), e número de funcionários da empresa (Quadro II NR 4).  

Veja também: Dimensionamento do SESMT – Aprenda a dimensionar aqui! 

PARA QUE SERVE O SESMT?

Compete ao SESMT esclarecer os empregados dos riscos no ambiente de trabalho e promover ações para neutralizá-los ou eliminá-los. Sempre visando a promoção da saúde, prevenção de acidentes de trabalho e de doenças ocupacionais. 

QUAIS SÃO AS ATRIBUIÇÕES DO SESMT?
Cada função dentro do SESMT tem sua importância e sua característica particular. Confira: 


– MÉDICO DO TRABALHO – CBO – 0-61.22

Atribuições:
Realizam consultas e atendimentos médicos;
Tratam pacientes e clientes;

Implementam ações de prevenção de doenças e promoção da saúde tanto individuais quanto coletivas;
Coordenam programas e serviços em saúde, efetuam perícias, auditorias e sindicâncias médicas; elaboram documentos e difundem conhecimentos da área médica no trabalho.

Vale lembrar, que o Médico do Trabalho é responsável pelo PCMSO (Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional). Programa esse que anda junto com o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) da empresa.

O Médico do Trabalho também tem participação na CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), LTCAT (Laudo Técnico de Condições Ambientais de Trabalho), e várias outras atividades.

– ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO – CBO 2149-15 

Atribuições:
Engenheiro de segurança é o engenheiro ou arquiteto, que possui curso de especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho.

Atua na gestão de segurança e saúde ocupacional, em médias e grandes empresas dos mais diversos segmentos.

Visando reduzir as perdas decorrentes de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Essas perdas podem ser humanas, de maquinários e equipamentos, multas e meio ambiente.

No Brasil, a profissão é regulamentada pela lei 7.410, de 27 de novembro de 1985 que dispôs sobre a especialização, em nível de pós-graduação, de engenheiros e arquitetos em engenharia de segurança do trabalho.

– ENFERMEIRO DE TRABALHO –  CBO  0-71.40

Atribuições:
O enfermeiro do trabalho normalmente é o líder da equipe de enfermagem do trabalho.
Atua na assistência ao paciente, em ambulatórios, hospitais, ambulâncias,  setores de trabalho e em domicílio.

Atua em procedimentos de enfermagem de maior complexidade e prescreve ações, realiza a rotina receitada pelo médico.
Cabe a ele juntamente com o médico a realização de coleta de dados sobre doenças ocupacionais, realização de inquéritos sanitários, coleta de dados estatísticos de morbidade e mortalidade de trabalhadores e etapas antecedentes aos estudos epidemiológicos.

Executa, avalia programas de prevenções de acidentes de trabalho e de doenças profissionais, faz análise dos fatores geradores de insalubridade, para propiciar a preservação de integridade física e mental do trabalhador.

É sua função participar do processo de treinamento e instrução dos trabalhadores no uso de equipamento de proteção individual (EPI), na prevenção de doenças do trabalho em harmonia e concordância com os outros profissionais de saúde do trabalho e Segurança do Trabalho.  

 – TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO – CBO – 3516 

Atribuições:
I – informar o empregador, através de parecer técnico, sobre os riscos exigentes nos ambientes de trabalho, bem como orientá-los sobre as medidas de eliminação e neutralização;

II – informar os trabalhadores sobre os riscos da sua atividade, bem como as medidas de eliminação e neutralização;

III – analisar os métodos e os processos de trabalho e identificar os fatores de risco de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho e a presença de agentes ambientais agressivos ao trabalhador, propondo sua eliminação ou seu controle;

IV – executar os procedimentos de segurança e higiene do trabalho e avaliar os resultantes alcançados, adequando-os estratégias utilizadas de maneira a integrar o processo Prevencionista em uma planificação, beneficiando o trabalhador;

V – executar programas de prevenção de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho nos ambientes de trabalho, com a participação dos trabalhadores, acompanhando e avaliando seus resultados, bem como sugerindo constante atualização dos mesmos estabelecendo procedimentos a serem seguidos;

VI – promover debates, encontros, campanhas, seminários, palestras, reuniões, treinamentos e utilizar outros recursos de ordem didática e pedagógica com o objetivo de divulgar as normas de segurança e higiene do trabalho, assuntos técnicos, visando evitar acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho;

VII – executar as normas de segurança referentes a projetos de construção, aplicação, reforma, arranjos físicos e de fluxos, com vistas à observância das medidas de segurança e higiene do trabalho, inclusive por terceiros;

VIII – encaminhar aos setores e áreas competentes normas, regulamentos, documentação, dados estatísticos, resultados de análises e avaliações, materiais de apoio técnico, educacional e outros de divulgação para conhecimento e auto-desenvolvimento do trabalhador;

IX – indicar, solicitar e inspecionar equipamentos de proteção contra incêndio, recursos audiovisuais e didáticos e outros materiais considerados indispensáveis, de acordo com a legislação vigente, dentro das qualidades e especificações técnicas recomendadas, avaliando seu desempenho;

X – cooperar com as atividades do meio ambiente, orientando quanto ao tratamento e destinação dos resíduos industriais, incentivando e conscientizando o trabalhador da sua importância para a vida;

XI – orientar as atividades desenvolvidas por empresas contratadas, quanto aos procedimentos de segurança e higiene do trabalho previstos na legislação ou constantes em contratos de


prestação de serviço;

XII – executar as atividades ligadas à segurança e higiene do trabalho utilizando métodos e

técnicas científicas, observando dispositivos legais e institucionais que objetivem a eliminação, controle ou redução permanente dos riscos de acidentes do trabalho e a melhoria das condições do ambiente, para preservar a integridade física e mental dos trabalhadores;

XIII – levantar e estudar os dados estatísticos de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho, calcular a freqüência e a gravidade destes para ajustes das ações prevencionistas, normas regulamentos e outros dispositivos de ordem técnica, que permitam a proteção coletiva e individual;

XIV – articular-se e colaborar com os setores responsáveis pelos recursos humanos, fornecendo-lhes resultados de levantamento técnicos de riscos das áreas e atividades para subsidiar a adoção de medidas de prevenção a nível de pessoal;

XV – informar os trabalhadores e o empregador sobre as atividades insalubre, perigosas e

penosas existentes na empresa, seus riscos específicos, bem como as medidas e alternativas de eliminação ou neutralização dos mesmos;

XVI – avaliar as condições ambientais de trabalho e emitir parecer técnico que subsidie o planejamento e a organização do trabalho de forma segura para o trabalhador;

XVII – articula-se e colaborar com os órgãos e entidades ligados à prevenção de acidentes do trabalho, doenças profissionais e do trabalho;


XVIII – particular de seminários, treinamento, congressos e cursos visando o intercâmbio e o aperfeiçoamento profissional.

– AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO TRABALHO CBO 3222-35 

Atribuições:

Desempenham atividades técnicas de enfermagem em empresas públicas e privadas como:
Hospitais, clínicas e outros estabelecimentos de assistência médica, embarcações e domicílios.
Atuam em cirurgia, terapia, puericultura, pediatria, psiquiatria, obstetrícia, saúde ocupacional e outras áreas.
Prestam assistência ao paciente zelando pelo seu conforto e bem estar, administram medicamentos e desempenham tarefas de instrumentação cirúrgica, posicionando de forma adequada o paciente e o instrumental. Organizam ambiente de trabalho e dão continuidade aos plantões.
Trabalham em conformidade às boas práticas, normas e procedimentos de biossegurança.
Realizam registros e elaboram relatórios técnicos.
Desempenham atividades e realizam ações para promoção da saúde do trabalhador.

O QUE É UM SESMT COMPLETO?

Quando atende a especificação da NR - 04 - Quadro 2.


sexta-feira, 24 de julho de 2015

Curso de trader esportivo - Ganhar dinheiro assistindo jogos de futebol?


Curso de trader esportivo -  Ganhar dinheiro assistindo jogos de futebol?


No Hotmart uma plataforma de afiliados está sendo apresentada curso trader esportivo do juliano fontes, muita gente se perguntou se realmente era verdade ou algum tipo de flaude.

Está oportunidade existe sim, e é chamado de fazer trading esportivo, que é a operação de compra e venda em bolsa esportiva.

É uma atividade que exige paixão de torcedor e também analise de forma consciente sobre a partida e faz investimentos nos possíveis resultados durante o jogo conforme sua análise anterior, e ganhando no lucro das apostas.


Na europa é muito popular, tanto que se você reparar nos jogos europeus sempre tem alguma propaganda do betfair ou Bet365, que são casas de apostas.

Existem muitos pessoas que vivem só disso, que largaram dos seus empregos e hoje ganham dinheiro fazendo aquilo que lhe dão muito prazer.

Mas para entrar neste mercado você tem que entender como as coisas funcionam, e quais estratégias e caminhos tomar. Fazendo o curso trader esportivo você aprenderar os caminhos da pedras e poderá ganham muito dinheiro assistindo o que você  ama de pauxão.

Curso Trader Esportivo do Juliano Fontes Vale a Pena? É Confiável? Funciona? É Seguro?
Muitos se perguntam se o curso de trader esportivo vale a pena, se é confiável, se é seguro e até mesmo se funciona.

Vale a pena sim, pois é um mercado totalmente desconhecido aqui no Brasil e sem uma orientação de um especialista pode ser muito difícil no começo.

O curso mostra passo a passo de uma forma simples como analisar os jogos antes de começar, quais estratégias você poderá usar, e como analisar a partida, e como proteger o seu dinheiro caso ocorra alguma coisa de errado.

Se não tiver dinheiro para iniciar não tem problema, pois ele te ensina como conseguir R$2000 para começar apenas fazendo alguns cadastros e operações nas casas de apostas:

fonte: hotmart.com

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Quais são os órgãos que gerenciam as atividades de comércio exterior no Brasil?

Quais são os órgãos que gerenciam as atividades de comércio exterior no Brasil?

2 - Quais são os órgãos que gerenciam as atividades de comércio exterior noBrasil? 

O comércio exterior brasileiro está estruturado com órgãos e entidades, mesmo, privadas apoiando, está complexa atividade de compra e venda de mercadorias, bem como quanto a negociação, entre outros aspectos. Para que os interessados possam atuar, os órgãos desenvolvem conforme suas atribuições, políticas que em consonância com os demais permitam acesso ao mercado internacional.

O principais órgãos do comércio exterior, são aqueles que diretamente exercem função de gerentes, isto é, autorizam as operações, controlam a entrada e saída de mercadorias, pessoas, veículos e animais. Tais órgãos, além 7 dessas funções, são executores das políticas criadas pelo executivo e normatizadores na atividade de comércio exterior. 

Postagens populares

Google+ Badge